Leitura recomendada aos “especialistas” em dívida pública

“Dívida pública para totós” de Miguel Botelho Moniz (Insurgente)

Um pouco por toda a imprensa e comunicação social, sempre que o estado português coloca dívida pública nos mercados, através de leilões, é costume ouvir referências ao facto de que a procura ultrapassou “várias vezes” a oferta. Assim como quem diz “estamos a pagar o triplo da Alemanha, mas todos querem as nossas obrigações”. No último Expresso da Meia-Noite, Luis Nazaré também referiu este “excesso” de procura, estranhando que tal “excesso” não se traduzisse em juros mais baixos. A ideia implícita nestes comentários, e que Francisco Louçã concretizou de forma expressa outro dia, é que alguém “está a meter ao bolso” à custa do estado português.(…)

A colocação desta dívida faz-se mediante leilões. De forma simplificada, podemos dizer que os participantes licitam dizendo que estão dispostos a comprar N títulos a um preço P. O estado vende os títulos começando, naturalmente, por satisfazer as licitações com preço mais alto, descendo a partir daí pelas licitações, em sentido decrescente. Continua a satisfazer as licitações até atingir um determinado montante de encaixe. Quando se refere depois que o estado levantou X milhões a uma taxa de T, isso significa que o preço médio pago pelos compradores, face ao valor nominal e cupão dos títulos em causa resulta numa YTM, média, de T. Algumas licitações terão sido abaixo, outras acima.

O facto da “procura” (definida como o somatório das licitações) ter sido superior à oferta, não significa que houvesse interessados em comprar títulos à conseguida taxa T. Todas as licitações não satisfeitas eram ofertas com preço mais baixo pelos títulos oferecidos. Os potenciais compradores apenas estariam interessados em adquirir títulos com yields superiores a T (na verdade, como T é uma média, os yields pretendidos seriam todos superiores ao valor de yield mais alto de entre todas as licitações satisfeitas).

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: