A mentalidade comunista em acção

A culpa do nos sobreendividarmos é de quem nos emprestou o dinheiro.

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Tiago Santos  On 12/02/2012 at 19:31

    Ya…já viu? Mas é que se estudar um pouco de economia verá que é mesmo assim. Consegue imaginar? Eu explico: de forma muito simples, tudo o que se deve, é devido a alguem, pelo que o total das dívidas é igual ao total do que se empresta, isto porque a terra é uma economia fechada e não dá para exportar para marte.

    Ora, se alguém conseguir poupar demais (o que pode acontecer por uma infinitude de razões) tem de escoar o dinheiro para algum lado porque em economias abertas, ele não vai para debaixo do colchão. Ora, a alemanha poupou muito e o dinheiro teve de sair. As economias periféricas nem pediram dinheiro nenhum, ele entrou cá adentro com taxas de juro reais baixíssimas (proximas do zero) e é assim que o dinheiro entra. Fosse possível ao estado criar barreiras para impedir essa entrada, o estado tinha-o feito, porque é isso que fazem os estados. Só que na UE isso nao era permitido. Quando alguém alertava para os desequilibrios que se estavam a formar, todos disseram que não tinha importância porque a UE não deixava cair nenhum pais, et voilá…

    É simples não é? E é que nem precisei de citar marx…

    • Miguel Noronha  On 13/02/2012 at 8:51

      Fantástico. O dinheiro entrou sem que ninguém o pedisse. Provavelmente obrigaram-nos a aceitá-lo.
      Os alemães são lixados. Nem será de estranhar se viermos a descobrir que foram eles que nos obrigaram a gastar rios de dinheiro em “elefantes brancos”.

      Como anda tudo a tentar passar a culpa para o lado dos credores só estranho que também critiquem agora a falta de crédito. Supostamente, agora, estaria a prestar-nos um tremendo favor.

      • Tiago Santos  On 13/02/2012 at 12:00

        Nos não o pedimos nem eles o impingiram. O crédito não é uma negócio moral. É um negócio apenas. Havia muito dinheiro e eles ofereceram-no. E isso aconteceu antes de nós irmos à procura desse mesmo dinheiro e a prova disso é que as taxas de juro, na altura, desceram. Se tivessemos sido nos a ir atrás do dinheiro, essas taxas tinham subido… Agora acabou-se o crédito de uma vez só porque se deixou que se criassem enormes desequilibrios. O crédito nunca devia era ter sido tão abundante como foi, mas se o foi, não foi por culpa de quem emprestou nem de a quem foi emprestado, mas por culpa de quem criou o quadro institucional que permitiu que tais desequilibrios ocorressem…

      • Miguel Noronha  On 13/02/2012 at 12:56

        “O crédito não é uma negócio moral”
        Quem estava a entrar por esse campo era o Francisco Louçã e não eu.

        “mas por culpa de quem criou o quadro institucional que permitiu que tais desequilibrios ocorressem”
        Mas convém não desresponsabilizar por completo as outras partes. Quem ofereceu o dinheiro e quem o aceitou tinha a responsabildiade de verificar melhor o risco do negócio. As perdas devem ser repartidas pelos dois e não por terceiras partes que não foram tidas nem achadas nessas transacções.

Deixe uma Resposta para Miguel Noronha Cancelar resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: