Tag Archives: elefantes brancos

Grande Mesquita Machado

A Câmara de Braga vai abandonar o projecto de construção de uma piscina olímpica na cidade. A obra já custou oito milhões de euros, mas os responsáveis admitem que não há condições para a concluir.

Refira-se que para concluir o projecto seria precisos mais 12 milhões de euros.  Como é que se classificam os autarcas que  planearam construir um complexo que iria custar módicos 20 milhões de euros? Visionários ou irresponsáveis? Ainda necessitam mais provas acerca da urgência em acabar com a irresponsabilidade fiscal das autarquias?

Anúncios

Obama, the anti-Midas touch

Ener1, a battery company that President Obama referenced in his State of The Union Speech on Tuesday as an example of successful energy investments, has just filed for chapter 11 bankruptcy. That’s just two days after the speech.“In three years, our partnership with the private sector has already positioned America to be the world’s leading manufacturer of high-tech batteries,” Obama said in his speech. 

in Business Insider

Inconsistências obamicas (2)

Ontem durante o discurso sobre o Estado da União

[Obama] defendeu que o país deve aproveitar as poupanças proporcionadas p[ela] retirada militar e redireccionar esse dinheiro para investimentos nas infra-estruturas como ferrovia mais rápida e recuperação das estradas do país. “Tanto da América precisa de reconstrução”, apontou Obama, que terá de negociar com o Congresso a ideia de investir em ligações rápidas de comboio

Ainda hei de perceber o fetiche dos políticos pelos “comboios de alta-velocidade”. Parece ser uma doença global. Mas enfim, a proposta de Obama surge num momento extremamente oportuno. Quando os EUA necessitam reduzir o défice e o endividamento federal e quando o projecto californiano de alta-velocidade começa a descarrilar

Been there, done that

Richard Wellings no blog do IEA: “Infrastructure stimulus will be counterproductive”

A intenção de Wellings é alertar o governo britânico para não olhar para o investimento em infraestruturas como uma forma garantir a retoma económica. Mas também  podia ser uma descrição do que aconteceu em Portugal nos últimos 20 anos com as sucessivas  “apostas no desenvolvimento”. Que resultaram no desastre actual.

Leitura recomendada

O falhanço da energia solar no Ecotretas

E se fossem roubar para outra freguesia? (2)

“O anterior Governo conseguiu este investimento [sa Nissan] com muito trabalho e com uma estratégia que incluía a criação de um cluster de mobilidade elétrica em Portugal. O actual Governo não pode por isso dizer que tem uma estratégia para a economia (…)”

Só mesmo um socialista para nos tentar vender que a subsidiação intensiva de uma industria é uma “estratégia para a economia“. Quer dizer. Até pode ser se o objectivo for tornar-nos mais pobres.

E se fossem roubar para outra freguesia?

Marca japonesa ressalva que a decisão de suspender o investimento na fábrica de baterias de Aveiro “não tem nada a ver” com a decisão do novo Governo de pôr fim aos incentivos à compra de veículos eléctricos. Ainda assim, considera a decisão do Governo um “revés na mobilidade eléctrica”.

Já gastamos muitos milhões (que não tínhamos e que iremos pagar com juros elevados) a subsidiar projectos economicamente insustentáveis. Já chega.  A Nissan que deixe de tentar extrair rendas e (se quiser ter lucros) comece a vender carros que as pessoas (realmente) desejem e possam comprar.

A contas com uma herança cavaquista

A Gare Intermodal de Lisboa (GIL), responsável pela gestão da Gare do Oriente, acumula prejuízos de cerca de 87 milhões de euros desde a sua criação, em 21 de Setembro de 1994. Esta é uma das principais conclusões da auditoria do Tribunal de Contas (TC) a 14 empresas do Sector Empresarial do Estado (SEE), divulgada esta semana.

Dois comentários. Com tanto “investimento público estruturante” e “défices virtuosos” admiro-me como ainda não atingimos o paraíso socialista. Com este tipo de legados da sua governação o actual PR deviam ter algum pudor quando comenta os sacrifícios infligidos à população pelo despesismo público.

(isto lembra-me qualquer coisa)

“Modern Spain’s legacy: airports, deficits and brutal cuts” no Iberosphere

Last week, Spanish newspapers reported that a recently busted gang of drug smugglers had planned to buy part of Ciudad Real airport in order to ship cocaine into the country. It was hardly the kind of news that the Castilla-La Mancha authorities would normally have enjoyed hearing, but right now, almost any potential buyer of this huge building with a four-kilometre airstrip will be welcomed with open arms.

Um elefante branco da era cavaquista

Estado fica dono do Europarque com um “buraco” de 30 milhões

O problema de avalizar empréstimos alheios é que corremos o risco de ser chamados a pagar dívidas alheias. O estado avalizou o empréstimo da AEP e agora fica com (mais) um elefante branco nos braços. À semelhança dos estádios do Euro 2004 talvez a solução seja implodir a coisa.

Aproveito ainda para referir que este investimento “privado” contou com uma elevada comparticipação de diversos fundos comunitários e do estado português.