Tag Archives: Libia

Os filhos da “Primavera Árabe”

As violações de direitos humanos cometidas “com toda a impunidade” por diferentes milícias ameaçam a “nova Líbia” que deveria surgir com a vitória da revolta contra Muammar Khadafi.

Não estou a dizer que o regime de Kadafy fosse melhor. Longe disso. Apenas quero confrontar a realidade da Líbia pós-Kadafy com o wishful thinking de muitos “especialistas”. Foram vários os alertas.

E agora?

Luciano Amaral no Diário Económico

Agora que se livrou do horrendo Khadafi, a Líbia encontra-se nas mãos de um incompreensível Conselho Nacional de Transição, que não augura para o país nada de muito melhor: entre tribos, sumidades intelectuais e “activistas dos direitos humanos”, não se vê a sombra de um verdadeiro enquadramento da sociedade civil. Feita para marcar presença, para não se dizer que o “Ocidente” não fez nada, depois de se mostrar incapaz para ajudar a conduzir a “Primavera árabe” numa direcção aceitável, esta intervenção mal atamancada não teve preocupações de eficácia militar nem compromete o dito Ocidente no futuro da Líbia (mesmo se o tenha definido depois de a andar a bombardear). Que Alá seja misericordioso com aquele pobre país.

Obama e Osama

“A cabeça de Holofernes” de Fernando Gabriel (Diário Económico)

Obama declarou o mundo “um lugar mais seguro”. Obviamente não está e a conclusão não depende de conjecturas sobre presumíveis “retaliações”: é a intervenção militar sancionada por Obama no norte de África que está a tornar o mundo mais perigoso, ao terraplanar os destroços dos autoritarismos árabes, sem a mínima ponderação sobre os prováveis beneficiários do vácuo político. O chamado “levantamento árabe” devolve vastas extensões territoriais à condição de territórios tribais e na Líbia, tal como no Iémen, emerge uma das mais antigas e perigosas tradições do mundo islâmico: a combinação do espírito de revolta tribal com um sentimento de revivalismo religioso. As consequências da destruição na última década do remanescente do equilíbrio governativo nos territórios tribais recebido pelo Paquistão do Raj britânico é uma antevisão do Iémen e da Líbia da próxima década: durante algum tempo, as tribos rivais liquidar-se-ão mutuamente, até aparecer uma figura de autoridade religiosa -ironicamente, o termo árabe designador da virtude de sabedoria religiosa é baraka- que denunciará a impiedade dos tempos, unificará os beligerantes sob uma causa puritana e indicar-lhe-á a casa do inimigo a destruir.

Sobre a intervenção na Líbia

“Do Céu que os protege” de Fernando Gabriel (Diário Económico)

O bombardeamento da Líbia é um acto cínico, demonstrativo da vulnerabilidade das democracias à imoralidade do oportunismo -o “futuro” anunciado aos líbios pelo cometa ardente dos mísseis que do céu os “protegem”. A coisa não se explica nem por cupidez nem por estupidez. (…)

Obama e Sarkozy aparecem unidos num virtuoso proselitismo bombista, mas não é da liberdade dos líbios que se trata: é da consciência da necessidade. Com uma aguda consciência da sua necessidade eleitoral, agravada pelos resultados das eleições locais, Sarkozy saiu disparado das boxes. Seguiram-se os ingleses e Obama, que estava em dia de ocidentalismo. Chamar-lhes descendentes de Gladstone é apoucar o intelecto do estadista vitoriano: são apenas populistas, antecipando que as acrobacias pós-heróicas nos céus da Líbia serão recompensadas com votos, porque este tipo de operações satisfaz o desejo de santidade de um certo eleitorado, que confunde o discurso moral com a pieguice humanitária e a guerra com a paz.

Bem podem algumas vozes ajuizadas lembrar que ninguém no chamado “mundo árabe” agradecerá a operação; que as histórias disseminadas por fanáticos do islamismo servirão para motivar inúmeros terroristas; ou que tem de ser a hipócrita Liga Árabe a assumir o ónus financeiro e militar de garantir a ordem civil na Líbia. A beatice internacionalista dá votos e isso basta para legitimar o bombardeamento “democrático” da Líbia. A derradeira ironia resulta do contraste entre a intenção e a realidade da ONU. Sendo o resultado funcional de um movimento internacionalista nascido da rejeição do cálculo paroquial de “interesses”, que se supunha levar inevitavelmente ao conflito, a ONU tornou-se há muito numa plataforma de corrupção e de autorização desresponsabilizada de intervencionismos arbitrários e estranhamente selectivos. O mundo seria um lugar mais seguro sem ela e a sua perigosa ilusão de “governança mundial”.

Os EUA e a Líbia

President Obama is reluctant to intervene in the bloody civil war now underway in Libya. As a senior aide told The New York Times last week, “He keeps reminding us that the best revolutions are completely organic.” I like that notion of organic revolutions—guaranteed no foreign additives, exclusive to Whole Foods. I like it because, like so much about this administration, it is both trendy and ignorant.

Was the American Revolution “completely organic”? Funny, I could have sworn those were French ships off Yorktown. What about Britain’s Glorious Revolution, the one that established parliamentary rule? Strange, I had this crazy idea that William III was a Dutchman.