E agora, Saldanha (2)

O ilustre deputado Saldanha Galamba tenta aqui descodificar o seu primeiro post. Recorda-me o famoso Tino de Rans e até um simples plebeu consegue rebater a argumentação em poucas linhas.

Ora vamos lá ver. As medidas dos PEC IV (ou mesmo as que constam do memorando da troika – e ao contrário do que afirma o deputado as medias estruturais não são uma pequenita diferença) não anulam a necessidade da ajuda finaceira. O ilustre representante de Santarém estará recordado das dificuldades e necessidades de financiamento público assim como das actuais rupturas de tesouraria e atrasos de pagamento que se multiplicam nos organismo do estado. Não foi só Jürgen Kröger que falou nas consequências do atraso no pedido de ajuda. Os representantes do BCE e do FMI reforçaram esta ideia. A sua tentiva de desvalorizar a opinião descredibilizando o seu emissor é reveladora da pobreza da sua argumentação.

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: